Linhas & Laudas

Entrevista à Linhas & Laudas – Setembro de 2009

 

Linhas & Laudas: Quando você percebeu que tinha dom para as artes plásticas?

Sônia: Na verdade essa percepção veio de alguém de fora (uma professora), pois eu era muito pequena e, para mim, o que eu fazia era muito normal.

Linhas & Laudas: Como você definiria o seu estilo?

Sônia: Sei que as pessoas ficam incomodadas e precisam de um rótulo para se sentirem mais seguras. Já que é assim, gosto muito da ideia de atrelar o meu trabalho ao Realismo Fantástico dos escritores latinos.

Linhas & Laudas: De onde surgiu a sua vertente para o surrealismo?

Sônia: Desde muito pequena, me encantava com as entrevistas dadas por Salvador Dalí, com toda aquela mis enscène peculiar dele. Só mais tarde, já na escola dirigida por Luiz Portinari é que percebi o porquê daquela atração.

Linhas & Laudas: E a escolha pela pintura a óleo?

Sônia: Tentei usar outras mídias e na verdade hoje faço alguma coisa em acrílico, mas só em peças grandes, de fibra, como as esculturas de arte de rua,como o coração do Big Heart Parade e da vaca da CowParade, que farei agora, neste segundo semestre.Nada se compara ao óleo que se adapta perfeitamente ao meu estilo e a minha eterna busca pela perfeição. Com o óleo posso desenhar com o pincel, que é o que mais gosto de fazer.

Linhas & Laudas: No seu site, vi que é você que prepara a tela e as tintas das suas obras. Como é esse processo? Por que decidiu fazer essa preparação?

Sônia: Esta é basicamente uma questão técnica. Toda esta parte que eu chamo de artesanal, faz parte da técnica flamenga que uso.

Linhas & Laudas: De que forma iniciou sua carreira no exterior?

Sônia: Na época, o meu agente perguntou se eu gostaria de abrir um mercado nos EUA, eu disse que sim, e ele conseguiu um contrato com uma galeria em NY.

Linhas & Laudas: Como se sentiu ao ter uma obra escolhida para integrar a Royal Collection?

Sônia: A princípio foi muito difícil acreditar. Este foi realmente um acontecimento genuinamente surrealista. Afinal, quantos brasileiros já tiveram uma cerimônia na sala principal do Palácio de Buckingham só para ela? Nem preciso mencionar o orgulho, é claro. Esta é uma das mais importantes coleções de arte da Europa.

Linhas & Laudas: Como é o processo de criação? O que te inspira atualmente?

Sônia: Começa quase sempre com um objeto (as vezes um briefing) que chama a minha atenção. Depois com uma ideia mais ou menos formatada no virtual, parto para a pesquisa, depois o desenho, a simbologia (porque gosto de levar quem vê a obra por um caminho de descobertas não tão explícitas), a maquete (bastante improvisada, diga-se de passagem) e finalmente as cores.

Linhas & Laudas: Vi a notícia do lançamento de uma edição especial de bombons que leva a sua assinatura. Você tem outros projetos como esse? Como é levar a sua arte para outras bases?

Sônia: Ultimamente venho ansiando por novas mídias, novos caminhos. Os bombons da Pati Piva fazem parte do segmento que tenho desenvolvido bem, que é o do licenciamento. Também estou com a VenitianCollection. São pratos de coleção, xícaras e taças especiais para degustação. O lançamento desta linha será no início do mês que vem, e é algo que não para, pois há ainda muito o que fazer. Também fui convidada para criar uma coleção de joias para a Corsage. O lançamento será no final de outubro, na loja do Shopping Iguatemi.Estou achando tudo muito divertido (apesar do excesso de trabalho) e ainda no segmento arte, da pintura em si, também estou preparando uma exposição (estou muito entusiasmada com ela) de telas objeto. Seria um caminho natural, quase que uma preparação minha pessoal para a escultura!

Linhas & Laudas: Quais são seus próximos projetos profissionais?

Sônia: Muita coisa: livro infantil, exposições, escultura…

Linhas & Laudas: Qual a importância dos direitos autorais do artista plástico e como avalia o trabalho da AUTVIS?

Sônia: Ainda hoje algumas pessoas acreditam que ao comprar uma obra de arte adquirem automaticamente o direito da imagem. As Artes Plásticas e tudo que envolve este mundo ainda está engatinhando aqui no Brasil. Por que a maioria das pessoas sabe que a obra de um escritor ou de um músico tem direitos autorais? Já respondendo, na minha concepção, isto é fruto de muita divulgação e de sindicatos atuantes. Quanto mais se falar no assunto, mais as pessoas ficarão informadas e mais darão valor à criação intelectual dentro da arte. Por tudo que disse acima, acredito que o trabalho da AUTVIS é importantíssimo. Além de ser uma organização séria, cuida e zela para que o direito intelectual do artista seja preservado e respeitado. Posso estar enganada, mas acredito que ela seja uma das primeiras no Brasil, a ter um enfoque direcionado para as Artes Plásticas.